Draft:Apocalipse

From RationalWiki
Jump to: navigation, search
Information icon.svg This is a draft that anyone is free to edit as they would a mainspace page.

Do not add categories to draft pages; put them in comment tags instead.

Contributors should nominate draft articles for deletion only if they believe that the article is not applicable to RationalWiki's mission.

Articles involving living persons must conform to our guidelines on biographies of living people.

Os quatro Cavaleiros do Apocalipse.
Light iron-age reading
The Bible
Icon bible.svg
Gabbin' with God
Analysis
Woo
Figures
If you're looking for this article in English, it can be found at Book of Revelation.

Neste que será o Dia da Ira,
O mundo será reduzido a cinzas
Davi e a Sibila testemunharão.
—Hino latino Dies Irae "Dia da Ira"
O livro mais maluco de todos.
—Robert G. Ingersoll

O Livro do Apocalipse (Atenção:Livro da Revelação, não Revelações) é o último livro da Bíblia e descreve como a humanidade irá saborear o pão que o diabo literalmente amassou, a batalha final entre o bem e o mal e, finalmente, a segunda vinda de Cristo. A real autoria deste livro tem sido discutida ao longo dos séculos, mas a visão predominante é de que tenha sido escrito por um homem chamado João de Patmos, a.k.a. João, o Teólogo, sem ser o João, o Apóstolo nem João Evangelista.Wikipedia. Outro mistério é o que exatamente João ingeria antes de escrever estas coisas.

Este é um livro bem estranho[1] (e olha que estamos falando da Bíblia). A maioria dos teólogos (não descreditando o Apocalipse, misericórdia!) acredita que esse livro, junto com seus elementos mais bizarros, foi planejado para ser simplesmente uma exortação criptografada às igrejas asiáticas para que não perdessem a esperança diante do Império Romano ownando os cristãos, já que os romanos não entenderiam patavina das imagens metafóricas do livro.

  • ALERTA DE SPOILER: Deus vence no final.[2]. Dã.

[edit]

O livro já começa em altas viagens com uma visão bem simbólica de João na ilha de Patmos, com sete candelabros, sete estrelas e um Jesus flamejante segurando uma espada na boca (leia isso de novo, só pra ter certeza). Esse mesmo Jesus instrui João a enviar uma carta para cada uma das sete igrejas da província romana da Ásia — Éfeso, Esmirna, Pérgamo, Tiatira, Sardes, Filadélfia e Laodiceia — com o intuito de elogiar e/ou repreender as igrejas com o simbolismo da visão, e várias profecias sobre o fim dos tempos.

Os cristãos têm interpretações diferentes para estas cartas. Alguns afirmam que as igrejas eram históricas e literais, e que as cartas referiam-se aos problemas particulares de cada igreja, no momento que o livro estava sendo escrito. Outros adotam uma abordagem mais metafórica, que as sete igrejas seriam representação de todos os tipos de igrejas de todos os tempos.

Os Sete Selos[edit]

A revelação começa com uma visão do céu, onde todos os tipos de homens e animais adoram a Deus. Em agradecimento pela intercessão de João, Jesus abre os selos[3] em sete rolos que liberam os Quatro Cavaleiros do Apocalipse, um grupo de mártires que imploram pelo Dia do Julgamento[4], mas não sem antes um terremotozinho básico. Assim, na abertura do sétimo selo[5], o Céu fica quieto por cerca de meia hora e Deus entrega aos anjos sete trombetas, e os anjos começam a rezar (por quê?). Um dos anjos pega um incensário cheio de fogo e taca ele na terra, resultando em vozes, relâmpagos, terremotos e trovões. Só alegria mano!

Em seguida, é a vez do solista brilhar neste concerto de trombetas. Enquanto o anjo faz seu solo, chove sangue e fogo na terra, destruindo um terço desta; cai uma montanha de fogo no mar, um terço dos mares vira sangue, um terço dos animais marinhos bate a cachuleta, escurece um terço do Sol, da Lua[6] e das estrelas, por 1 dia, cai uma estrela do céu abrindo o abismo[7] liberando um enxame de gafanhotos-escorpiões (urgh). Só que a colisão de até mesmo uma pequena estrela destruiria a Terra. No segundo pensamento, podemos relaxar, talvez o autor quisesse referir-se a um meteoro ou cometa. Além disso, uma mulher ainda é coroada com estrelas (ou meteoros? Cometas?) e um dragão joga, com sua cauda, algumas estrelas na terra. Sim, o autor claramente não fazia ideia do que seja uma estrela. Ou talvez tenha sido uma metáfora! Sim, uma metáfora! Vamos saborear um bom bolo de cenoura ou lentilhas saudáveis?

Caham.

Voltando para as trombetas. A sexta trombeta libera anjos do Eufrates[8] para trazer 200 milhões de cavaleiros que irão matar um terço da humanidade. O sétimo anjo segura a onda um pouco com seu trompete para que ele possa invocar as coisas realmente boas quando menos esperamos.

Sério? Temos certeza de que o LSD só foi descoberto no séc. XX?? Opa, pera um pouquinho...Wikipedia.

Agora as coisas ficam realmente interessantes à medida que nos aprofundamos nesse território altamente alucinógeno. Duas testemunhas pregarão a palavra de Deus usando poderes sobrenaturais para atormentar os homens e são atacadas pela Besta. Morrem e ficam assim por três dias e em seguida sobem de volta para o céu. Então a mulher coroada de estrelas ou cometas é perseguida até pelas rebimbocas por aquele Dragão, provocando uma pancadaria no Céu entre as forças do Dragão e os anjos liderados por Michael Bay (Deus até poderia ajudar, mas ele estava ocupado em outros universos fazendo coisas mais interessantes) com heavy metal como música de fundo. O dragão é tacado na terra e, irado, vai atrás da mulher de novo e tenta afogá-la com água da sua boca[9], mas a mulher desenvolve asas de águia e voa pra longe (MIGHT EAGLE!). Então, os demônios levantam-se do mar e da terra para convencerem a humanidade a seguir a Besta. Finalmente o sétimo anjo, depois dessa folga pra descansar a mandíbula, transforma-se em um Dizy Gillespie e solta os cachorros em cima de nós.

Reunindo os exércitos[edit]

Ao soar da sétima trombeta, os anjos derramam as sete taças (das quais João provavelmente fumou seis), o que resulta em perebas aparecendo em todos os homens, a morte de tudo o que vive no mar, a transformação do mar em sangue, o sol se transforma em uma gigante vermelha e queima a terra, que será coberta de trevas (???), O Eyfrates seca e todos os exércitos do Anticristo reúnem-se em um lugar chamado Armagedom, e terremotos e granizo sobre a terra (sim, sob um sol escaldante! Faz sentido!).

Depois dessa festança toda, Dumá, a Prostituta da Babilônia, sobe para dominar a terra e assenta-se na Besta Fluffy de sete cabeças e dez chifres[10] com outros secundários e coadjuvantes. Então, os países que são controlados pelos reis que adoram a Besta a apoiam na guerra contra Deus, mas Jesus, de saco cheio de tudo isso, aparece e chuta a bunda de algumas bestas, que são lançadas no lago de fogo e enxofre junto com o Anticristo do número 666 (ou 616) e seus seguidores, mas por apenas mil anos, já que Jesus não quer que ganhemos essa fácil, fácil. Após o milênio, Satã reaparece e as nações de Gogue e Magogue pelejam contra os céus (Ap. 20, 7-8), mas Deus, tendo terminado o que estava fazendo no outro universo, aparece e owna Satã com um feitiço pilar de chama do céu[11]. Uma nova Jerusalém, tal qual um cubo de Borg, desce do céu e todos nós somos transformados e vivemos felizes para sempre, embora sejam necessárias várias sessões de terapia prolongada, o que não seria preciso se os anjos tocassem chifres.

Sobre o Arrebatamento[edit]

É um erro bem comum e recorrente entre os cristãos, achar que o arrebatamento, evento no qual Deus leva todos os cristãos mortos e os que vivem foram da Terra, seria narrado no livro de Apocalipse. Na verdade, o arrebatamento é descrito em 1° Tessalonicenses 4, 16-17. Apocalipse relata que só 144 mil serão salvos, mas a passagem citada afirma que todos os cristãos serão levados. Num tipo de delírio excepcional em massa, muitos fundamentalistas têm a visão conhecida como pré-milenismo dispensacionalista, em que todos os Verdadeiros Cristãos™ serão arrebatados antes das tribulações descritas, embora a Bíblia não dá pistas concretas nem detalhes sobre tal acontecimento. Essencialmente, eles estão cagando e andando para o que acontece no resto do mundo, contanto que não sejam atingidos por isso, é claro. Há também pessoas mais amigáveis e boazinhas que acham que os cristãos serão arrebatados depois do início das tribulações, deixando as coisas um pouco mais igualitárias (palmas!), já que os crentes sofrerão também como todo mundo. Infelizmente, este grupo até agora não conseguiu dar explicações que façam sentido sobre o arrebatamento versão alternativa, já que oram ativamente para que Jesus Jerks destrua a terra. Nem uma palavra de consolação para nós, pecadores. Tsc, tsc.

Tô nem aí se você morrer ao estilo Deep Web! Contanto que eu seja teleportado primeiro!

Em contrapartida, existe um razoável número de não cristãos que desejam que o arrebatamento aconteça o mais rápido possível, para que se vejam livres dos radicalistas (Leve, leve esses caras daqui, ponha eles em um lugar pacífico e que não tenha pessoas para atormentarem com seus dogmas! Livre-nos de suas merdas!).

Autoria e canonicidade[edit]

Ver artigo principal: Autoria do Novo Testamento

O autor do livro afirma ser João. Tradicionalmente, leitores de Apocalipse atribuem sua autoria ao mesmo João que escreveu o Evangelho e/ou o discípulo João, filho de Zebedeu (que podem ou não ser a mesma pessoa), porém muitos teólogos cristãos e historiadores refutam esta teoria. Ás vezes João o PresbíteroWikipedia é citado entre os autores. Atualmente os acadêmicos atribuem a alguém conhecido como João de Patmos[12], apesar de João Autor de Apocalipse cair bem melhor. Tudo o que sabemos sobre ele vem de pistas no próprio texto, e hoje há até mesmo discussões sobre se João era cristão ou judeu; parece que ele não era muito familiarizado com os Evangelhos.

Ver também[edit]

Referências[edit]

  1. Carrier, em uma de suas palestras, descreve o livro como "uma viagem ácida de cinco horas tão bizarra, que se você transformasse-o em filme, superaria EraserHead no quesito Filme Mais Contagiante E Estranho Já Feito. Trata-se basicamente das divagações de um senhorzinho que teve uma longa conversa com o espírito morto de Jesus Cristo na forma de um tipo de mutante f*dido que faz o The Thing, de Jonh Carpenter, parecer fichinha." Caso você esteja se perguntando, sim, já fizeram (vários) filmes sobre Apocalipse, e em um deles misturando o Uncanny Valley (CGI) ao 'bonkers story'.
  2. Mas não sem antes destruir com tudo e todos. Típicos dos fanboys do Deus Todo-Amoroso...
  3. Começando pelos da Geórgia do Sul (não a Geórgia).
  4. Filme bacana
  5. Um filme menos bacana, mas ainda é bacana.
  6. Me desculpe amor, você era o sol e a lua pra mim...
  7. Mais um filme bacana
  8. Música clássica dos Pixies
  9. Pensei que dragões cuspissem fogo...
  10. Isso daria um ótimo filme!
  11. Caro Deus, esse anticlímax foi uma *****.
  12. Veja o artigo na Wikipédia sobre João de PatmosWikipedia