Information icon.svg

Campaigning for the RationalMedia Foundation 2021 board of trustees election is underway!

Essay:O eminente esquecimento dos idiomas que não são inglês

From RationalWiki
Jump to: navigation, search
Essay.svg This essay is an original work by questgalleon196.
It does not necessarily reflect the views expressed in RationalWiki's Mission Statement, but we welcome discussion of a broad range of ideas.
Unless otherwise stated, this is original content, released under CC-BY-SA 3.0 or any later version. See RationalWiki:Copyrights.
Feel free to make comments on the talk page, which will probably be far more interesting, and might reflect a broader range of RationalWiki editors' thoughts.
This page is written in Portuguese.

Para qualquer pessoa por aí cuja primeira língua não é o inglês, parece tudo muito estranho. Entrar em redes sociais e ver seus amigos postando fotos com legendas em inglês, ligar o rádio e ouvir 99% das músicas em inglês, ou sair para comer e não saber pronunciar o nome (em inglês) do estabelecimento. Aqui eu vos digo: isso tudo tem uma razão.

Tudo começa lá atrás. O fato é que os países que costumavam ser colonizadores e os que costumavam ser colonizados apresentam até hoje consequências de sua história. Quer um exemplo fácil? França e Madagascar, por exemplo. Para saber qual deles apresenta IDH de 0,512 e qual é de 0,897 não é preciso matemática, apenas uma boa aula de História. A nação que teve (e tem até hoje) seu povo escravizado e seus bens extraídos sempre sai em desvantagem. Ok, mas onde você quer chegar?, vocês se perguntam. E eu digo, indo mais além ainda: colônias de exploração e de povoamento. Parece não haver muita distinção hoje em dia, mas quer um bom exemplo? Estados Unidos foi uma colônia de povoamento, e Brasil de exploração. Qual desses pode causar uma guerra num piscar de olhos? Controla a economia mundial? Levou o homem à Lua (supostamente)? Exato. E de que forma isso afeta a extinção de outras línguas? Bem, o inglês está se tornando uma linguagem padrão entre pessoas no mundo inteiro. É possível, por exemplo, um colombiano fazer intercâmbio no Japão e entender tudo ao seu redor, sabendo apenas o básico da língua inglesa. E isso não é de hoje.

Das crianças no Quênia que eram obrigadas a falar inglês na escola, ao costume da burguesia dos anos 20 no Rio de Janeiro de se comunicarem somente nesta língua, não é apenas um idioma qualquer. São os Estados Unidos, em conjunto com a Inglaterra, tentando uniformizar a forma de comunicação numa escala global. A longo prazo, isso vem apagando a identidade destes locais que foram colonizados, e sofrem influências até hoje. Em muitos lugares, falar inglês, morar num país de Primeiro Mundo, tudo isso faz parte do american dream, que surgiu há tanto tempo mas jamais será esquecido. Indício de falsa esperança, já que a maioria dos imigrantes ao chegar nos EUA é tratada como lixo, isso quando não são expulsos de volta para seus países de origem. Como foi dito ali encima: o sumiço de dialetos africanos, linguagens de tribos nativas de diversos lugares, entre outros, ocorre não apenas por causa de colonizadores ingleses no início dos tempos, mas da maior parte dos líderes europeus e perdura até hoje junto com o american way of living, caminhando lado a lado.