Inteligência artificial

From RationalWiki
Jump to: navigation, search
This is a Portuguese translation of Artificial intelligence
The poetry of reality
Science
Icon science.svg
We must know.
We will know.
A view from the
shoulders of giants.
Thinking hardly
or hardly thinking?

Philosophy
Icon philosophy.svg
Major trains of thought
The good, the bad
and the brain fart
Come to think of it

Inteligência artificial (IA) se refere a construção de um dispositivo (ou programa) ao qual tem poder de raciocínio independente — como um cérebro artificial. O teste para inteligência que é mais aceito é aquele elaborado por Alan Turing: (aproximadamente) Se uma conversa com um dispositivo não pode ser diferenciado de uma conversa similar com um ser humano, então o dispositivo pode ser chamado de inteligente.

Pesquisadores de IA produziram inúmeras ferramentas e produtos, incluindo recognição a textos escritos a mão, xadrez computadorizado e outros jogos de estratégia, a linguagem de programação Lisp, robótica avançada, capacidade de recognição visual básica, e (como subproduto) software de código aberto e ferramentas GNU. Entretanto, apesar da quantidade imensa de dinheiro e pesquisa, apesar de todos os produtos, a verdadeira inteligência artificial - um computador autoconsciente, capaz de tomar iniciativa e interações humanas quase indistinguíveis - ainda está para ser feito, apesar de alguns argumentarem que "consciência artificial" seja um termo mais apropriado para computadores autoconscientes.

John Searle propôs o "Quarto chinês", um experimento de pensamento para demostrar que um programa de computador consegue simplesmente embaralhar símbolos de acordo com simples regras de sintaxe, porém, nenhuma compreensão semântica do que os símbolos realmente significam. Os Proponentes de uma "forte IA", que acreditam que uma consciência pode existir em apenas um algoritmo, colocaram varias criticas ao argumento de Searle. A critica de Hubert Dreyfu da pesquisa de inteligência artificial foi inicialmente dura. Entretanto, isso não explicitamente nega a possibilidade de uma forte IA, simplesmente diz que as suposições feitas pelos pesquisadores de IA são ou sem base alguma ou no caminho errado. Por causa que a critica de Dreyfu se baseiam em filósofos como Heidegger e Merlau-Ponty, foi amplamente ignorada no seu tempo de chegada. Porém, como as as previsões fantásticas de pesquisadores pioneiros em IA continuam a falhar, a sua critica foi amplamente justificada, e até incorporada na pesquisa de IA moderna.

No nível medico, um cérebro artificial iria precisar cumprir todas as funções biológicas de órgãos ausentes, e o dispositivo em si não iria cair nem uma definição biológica de vida mais que uma máquina de diálise. Um exemplo de um personagem fictício esse tipo de prótese seria o Cyborg, da revista em quadrinho dos Jovens Titãs. Cérebros e cognição ainda não são muito bem entendidos, e a escala de computação para um cérebro artificial é desconhecida, todavia o poder computacional pode ser especulado, ele deveria ter uma magnitude maior que seu equivalente biológico. O cérebro humano consome em média 20 W de energia, enquanto os supercomputadores atuais podem usar até 1MW ou uma ordem de 100.000 mais, sugerindo que IA poderia ser uma forma de inteligência incrivelmente ineficiente em termos de energia. Criticas a simulação de cérebro acreditam que uma inteligência artificial pode ser modelada sem imitar a natureza, usando a analogia das primeiras tentativas de construir máquinas voadoras modeladas a partir dos pássaros.[1][2]

Aprendizado de máquina[edit]

See the main article on this topic: Aprendizado de máquina

No campo da inteligência artificial, aprendizado de máquina é um conjunto de técnicas que fazem possível o treinamento de um modelo computacional fazendo assim que ele se comporte de acordo com dadas entradas e saídas esperadas. Por exemplo, aprendizado de máquina pode reconhecer objetos em imagens ou fazer tarefas complexas que seriam muito complicadas para serem escritas em código tradicional.

Riscos da IA[edit]

Na ficção cientifica, muito é dito sobre os riscos de uma Revolução das máquinas. A maioria dos riscos desse tipo não são realistas e, mesmo que eles fossem, não são relevantes o suficiente para a sociedade se preocupar (apesar de o Eliezer Yudkowsky discordar e não vai ficar cansado de deixar as pessoas sabendo disso).

Porém, também existem muitos aspectos negativos sobre IA que podem exigir cautela no uso da tecnologia, mudanças na regulamentação ou ações politicas, bem antes de inteligências artificias como o exterminador do futuro chegar aos níveis de inteligência geral, que incluem:

  • IA programada para aprender de qualquer usuário da internet que aprenda com ele, pegando racismo e sexismo pensando que isso é bom e engraçado - isso já aconteceu[3]
  • IA usada por empresas de redes sociais e o Youtube criar bolhas de filtro - possivelmente inadvertidamente aumentando a polarização politica e o extremismo
  • Sucessivas ondas de desemprego - um dos primeiros, ao qual, de acordo com o Elon Musk, vão ser os carros autônomos, desempregando caminhoneiros em massa. Eles vão conseguir novos empregos como desenvolvedores de software ou consultores de mídia social? Os empregos que não existem hoje em dia vão aparecer, e então eles vão conseguir emprego novamente? Ninguém pode realmente ter certeza, e para alguns, notavelmente o ex-candidato a presidência dos Estados Unidos, Andrew Yang, defende uma renda básica universal como forma de compensar aqueles afetados pelo desemprego criado pela tecnologia, apesar de os outros defender a volta de uma ideia de um governo com diversos programas de emprego.
  • Alguns fãs da Tesla tiveram teorizando que carros autônomos em um futuro não muito distante significam que novos carros se tornarão inacessíveis para todos com exceção dos ricos, enquanto as montadoras de carro focam na venda de veículos autônomos altamente lucrativos e caros para empresas como a Uber e Lyft, ou simplesmente começar suas próprias operações no ramo de taxi, a qual a Tesla planeja.
  • Algoritmos de IA inadvertidamente fazer decisões racistas ou sexista sobre um assunto como hipotecas e outros empréstimos, ou até em assuntos da justiça criminal, como detecção de crime, procurar em uma grande quantia de evidências, decisões de fiança ou liberdade condicional - isso também já aconteceu[4].
  • IA caixa preta fazendo decisões que podem afetar a vida de pessoas, mas o raciocínio é completamente opaco e essencialmente desconhecido por clientes, juízes e júris, e até mesmo pelas empresas que os possuem.
    • A implicação logica de que se um hacker conseguir hackear esses algoritmos para a sua própria vantagem, ou literalmente "sair da cadeia de graça" e possivelmente ninguém perceber...
      • Também, combinado com essa tendência de alguns políticos e burocratas com pouco entendimento de tecnologia, simplesmente falar "computador diga não" quando confrontando com discordâncias gerados por decisões feitas por um computador, ou numa falta de total de aprendizado de máquina.
  • O mais perturbador de todos, drones voadores controlados por por uma IA autônoma poderia ser usada por grupos terroristas, ou até por um estado ordinário em um cenário de guerra, para ferir ou assassinar indivíduos, ou até alvos grupos de pessoas maiores com uma precisão de um alfinete, como oponentes políticos ou um líder autoritário, sem a poder ser rastreado de volta ao líder que deu a ordem. Isso é um cenário distópico explorado por um vídeo intitulado Slaughterbots (em inglês), produzido pela campanha para parar robôs assassinos (sim, eles eram realmente chamados assim)

Veja também[edit]

If you're looking for this article in English, it can be found at Artificial intelligence.

Links externos[edit]

Referências[edit]

  1. Goertzel, Ben (December 2007). "Human-level artificial general intelligence and the possibility of a technological singularity: a reaction to Ray Kurzweil's The Singularity Is Near, and McDermott's critique of Kurzweil". Artificial Intelligence 171 (18, Special Review Issue): 1161–1173. Retrieved April 1, 2009. 
  2. Fox and Hayes quoted in Nilsson, Nils (1998), Artificial Intelligence: A New Synthesis, p581 Morgan Kaufmann Publishers
  3. Microsoft silences its new A.I. bot Tay, after Twitter users teach it racism
  4. Rise of the racist robots – how AI is learning all our worst impulses