User:Lgallindo/sandbox

From RationalWiki
Jump to: navigation, search

RationalWiki_Atheism_FAQ_for_the_Newly_Deconverted, a Direct Translation To Be Followed By Some Localization

If you're looking for this article in English, it can be found at RationalWiki Atheism FAQ for the Newly Deconverted.

Going One God Further
Atheism
Icon atheism.svg
Key Concepts
Articles to not believe in
Notable heathens
O caminho da Cristandade [e toda religião] ao Ateísmo é longo, e seus primeiros passos são bastante duros e muito dolorosos; os pés trilham nas ruínas da fé quebrada, e os cantos afiados cortam a carne sangrante; mas além ... os lados da estrada são fragrantes com todas as flores do verão, ... e à distância nós vemos a promessa do outono, a colheira que deve ser tomada para a alimentação do homem.
Annie Wood Besant, Meu Caminho para o Ateísmo (My Path to Atheism) (1885)[1]

Primeiramente, NÃO ENTRE EM PÂNICO!!! Vai ficar tudo bem.

Se você encontrou este artigo, você pode muito bem ter perdido a fé no seu deus ou na sua educação religiosa particular. Algumas pessoas foram educadas para pensar que a vida sem religion é definitivamente impensável, so a loss of pode ser difícil e árdua, especialmente quando profundamente entrenchada em nossos pensamentos. De fato, alguém sofrendo uma "crise de fé" pode imaginar se existe algo errado com ele/ela ou mesmo pensar que sua vida foi pro lixo e agora está sem significado.

A missão deste documento é ajudar você a achar seu caminho para fora desta escuridão e confusão para um lugar onde você possa ser feliz tomandndo decisões próprias baseadas na realidade e de de mente aberta. De nenhuma forma é exaustivo, como nenhum documento pode ser, mas tem esperanças de responder as questões que estão causando mais pressão.

Seja você um desconvertido recente, no limiar de perser sua religião, ou um descrente de longa data, estas questões e respostas pretendem lhe dar uma visão sobre a vida sem religião. Você entrou no mundo do ateísmo, ciência, e racionalidade; aqui vamos lhe contas o que é importante para nós, onde conseguimos nossa moral, e como nós encaramos a pressão dos pares para o retorno à igreja. E lembre-se, escolher uma religião porquê você sente que não tem outra opção é o mesmo que não ter tido escolha alguma pra começar.

Então, no que eu acredito agora?[edit]

As muitas religiões do mundo prescrevem crenças para as pessoas carregarem. Sem isso, você está literalmente livre para acreditar em qualquer coisa que gostar. Assunmindo um certo nível de volição doxástica, claro.

A verdade é que você é livre para acreditar no que você quiser. Dito isso, existem muitos conceitos e idéias postuladas por ateus e livre-pensadores por séculos, e você pode descobrir que - tendo perdido fé ou tendo ela abalada - concorda com eles. Você ainda é livre para discordar dele, claro, e encontrar seu próprio caminho.

O originador deste FAQ é o que é algumas vezes chamado de "ateísta fraco", alguém que não nega ativamente a existência de deuses mas que vive como se não houvesse nenhum deus. Outros contribuidores da RationalWiki tem opiniões diferentes; alguns são neo-pagãos, outros Cristãos, muitos agnósticos ou mesmo ateus fortes (que afirmam que existe evidência para negar a existência de deuses)..

"Ateísmo" não é nada mais que a mera negação da crença na existência de quaisquer deuses. Colocado desta forma, é mesmo uma afirmação bem limitada. No entanto, para a maior parte dos ateus, esta posição é meramente o ponto de partida para estabelecer teorias não-religiosas sobre ética e vida social. Existem várias filosofias seculares (i.e. "sem deus/religião") por aí; as mais comuns são humanismo e naturalismo, mas existem muitas outras. De qualquer maneira, a maiores delas é muito parecida. O que nós temos em comum nesta wiki é que somos aspirantes à racionalistas. Este é o princípio de que sistemas de crenças, filosofias e visões de mundo (particularmente aquelas que informam o seu comportamento com relação aos outros) devem refletir o que pode ser observado e testado, não o que alguém ou algo diz a você para aceitar como verdadeiro sem fornecer nenhuma evidência. Isto significa que tudo - tudo - está no jogo para ser escrutinizado, incluindo este postulado fundamental do racionalismo. Se você renuncia sua fé e se torna ateu por falta de evidência para a existência de deus, então você já aceitou implicitamente algum postulado do racionalismo. Se você quer descobrir mais sobre isso, continue lendo, explore essa wiki, a internet, livros, ou mesmo tente formar algum pensamento original sobre o tema (e compartilhe com os outros!).

Admitidamente, você já foi fisgado para cá. Este não é realemnte um documento sobre ateísmo em si; existe muito pouco a explicar sobre isso e este fato não é uma coisa ruim. Essencialmente, ateísmo por reflexo involuntário não é melhor que fé religiosa não examinada já que pode, na maioria das vezes, uma reação puramente emocional à uma experiência adversa. E temos também que ateísmo por si só apenas significa que você não acredita em um deus. Não diz nada mais, e você pode descobrir que apesar da imagem racionalista colocada por alguns, outros ateus podem acreditar em um monte de superstições, ou ser tão alienado quanto o seu coxinha\petralha sobre a sociedade. Estas pessoas são raras neste continente religiosamente dominado, pois se tornar ateus normalmente significa questionar a fé de seus pares e deixar a religião de forma informada, mas viajando por países seculares na Europa coisas estranhas podem acontecer.

Este documento foi desenhado para por leitores curiosos em uma base ligeiramente melhor; nominalmente, uma base racionalista na qual você se sente confortável perguntando as questões que todo mundo sempre disse que você não deveria perguntar (ou que eram 'Mistérios da Fé'). Você ouviu a frase "curiosidade matou o gato"? Bem, na verdade curiosidade é uma coisa maravilhosa, e é uma parte e parcela de praticametne toda grande descoberta na história da humanidade. Seja curioso. Faça pesquisas por fora, então pesquise sobre as pesquisas. Não ignore dados inconvenientes. Almeje encontrar a verdade sobre tudo.

Se alguma coisa pode ser descrita como a "coisa na qual acreditar" deste artigo, seria uma forma de racionalismo dirigido por curiosidade. Mas não tome a nossa palavra nisso; Faça sua própria pesquisa. Nós não queremos que você apenas nos ouça; você estaria perdendo a proposta que estamos lançando.


À melhorar[edit]

Bibliografia e outras leituras[edit]

  1. Besant, Annie (1885). My Path to Atheism. London: Freethought Publishing Company.

Sobre ceticismo[edit]

  • Brown, Derren, Tricks of the Mind. While also delving into numerous tricks of mental agility, Brown sets his book against the background of his own conversion from evangelical Christianity to atheism. Thus he delves into irrational thought and why people can be tricked easily. You can also learn some impressive card and memory tricks.
  • Diamond, Jared. Guns, Germs, and Steel, W. W. Norton, 1999, 978-0393317558. One of the most powerful anthropological arguments against racism and related prejudices that there is, Diamond's thesis is that the only thing that separates us from less developed cultures is our ancestors' access to resources, and that perceived differences in intelligence don't matter at all. Despite a touch of "noble savage" drivel, this is otherwise an excellent book.
  • Gardner, Martin. Fads and Fallacies in the Name of Science, New York, Dover Publications, 1957, ISBN 0486203948. Considered one of the first and most influential works on skeptical thinking in the Anglophone literature, Fads and Fallacies surveys much of the pseudoscience of the mid-20th century, some of which still appears in modern times, all of which is valuable for learning how to spot fraud and delusion.
  • Pierce, Charles. Idiot America. New York: Doubleday, 2009, ISBN 978-0767926140. Takes the blend of analysis and mockery that Gardner created and applies it to the right wing of US politics. Despite somewhat of a lack of focus on the lunacies of the far left (especially animal rights activists), Pierce forcefully proves his point that the US is the best country in the world to be a crank.
  • Randi, James. Flim-Flam and The Truth about Uri Geller, several publishers. Randi's slowed down in his old age, but he's the living avatar of the fact that it isn't enough to know what you think is going on; you have to peek behind the curtains as well.
  • Sagan, Carl, The Demon-Haunted World. The last great work of the astronomer-turned-scientist-to-the-people, this book summarizes the most important parts of Sagan's career as a skeptical writer, from his early splash as a challenger to the wild-eyed speculations of Immanuel Velikovsky to his late career as an examiner of all things woo.
  • Shermer, Michael, Why People Believe Weird Things, New York, WH Freeman and Co, 1997. An in-depth exploration of subjects such as creationism and Holocaust denial, including the thought processes and motivations that believers follow.
  • Von Däniken, Erich, Chariots of the Gods?. What is this doing here? It's an example of what to look for in bad science writing. Chariots is a classic of the crank genre, an example of how a little knowledge and an agenda can lead someone to write complete garbage that people still take seriously. Don't miss the constant arguments from incredulity and von Däniken's nagging undercurrent of racism, not to mention his propensity for making up "facts" and jumping to conclusions based on visual artifacts and textual quirks, or his "interview" with German-American rocket scientist Werner von Braun (an example of how cranks often use chance encounters with famous experts to claim endorsements).

Sobre fé[edit]

  • Atran, Scott. In Gods We Trust: The Evolutionary Landscape of Religion. Oxford University Press, 2002. ISBN 0195149300. Makes the case for belief in the supernatural as a by-product of evolved pattern and agency detection in the human mind and explores the social and cultural aspects of religion drawing on research in anthropology, psychology, sociology, and evolutionary biology.
  • Baggini, Julian. Atheism: A Very Short Introduction. Oxford University Press, 2003. ISBN 0192804243. What it says on the tin.
  • Dawkins, Richard. The God Delusion. Houghton Mifflin Harcourt, 2006. ISBN 0618680004. A book of rational explanations as to why the hypothesis of God existing is ridiculously unlikely to be true, and why religion as it is usually practiced is actively socially dangerous. It is a useful "beginners guide to atheistic arguments" and has helped many people with deconversion, such as former Pentecostal Derren Brown.
  • Henderson, Bobby. The Gospel of the Flying Spaghetti Monster, New York: Villard/Random House, 2006, ISBN 0812976568. Written to mock Intelligent Design theory, the GotFSM is a velvet fist of a satire, mocking the hyperseriousness and intellectual bankruptcy of fundamentalist faith. While not particularly original (the Invisible Pink Unicorn, may her hooves never be shod, and the Reformed Church of the Star Goat preceded the Flying Spaghetti Monster, though perhaps not with quite the same level of detail), the GotFSM should be required reading for anyone questioning the limits placed on them by their faith.
  • Mackie, J.L. The Miracle of Theism. Oxford University Press, 1983. ISBN 019824682X. A thorough philosophical debunking of the major theistic arguments.
  • Shermer, Michael. How We Believe, 2ed. New York: WH Freeman and Co, 2000. A must-read on the psychology of faith by a former believer who is now a leader in the rationalist movement.
  • Various, The Bible. It is often said that the fastest way to atheism is through reading the Bible. But importantly, it should be remembered that "atheism" only makes sense in the context of religions being the dominant normative belief. Thus, read and understand what people are believing in and where they get their information from. Besides, these books are a key part of language and literature just as much as Shakespeare or Tolkien, and so certainly should never be forgotten or consigned to a book burning.
  • Various, The Atheist's Guide to Christmas. This collection of 42 essays from authors as wide as Richard Dawkins and Simon Le Bon examines atheism in an amusing and thought-provoking light. Also, the proceeds go to charity so it's all good fun for a good cause.

Sobre a bíblia[edit]

  • Finkelstein, Israel and Neil A. Silberman, The Bible Unearthed, New York: Touchstone/Simon and Schuster, 2001, ISBN 0684869136. A somewhat radical but well-defended reinterpretation of Old Testament archaeology by an Israeli and an American archaeologist.
  • Mack, Burton, Who Wrote the New Testament?, New York, HarperCollins, 1995, ISBN 0060655186. An extensive survey of the documentary evidence behind the creation and collation of the New Testament by one of the leading authorities on its sources.

Sobre sexo[edit]

  • Cox, Tracey, Hot Sex, New York/Sydney, Bantam Books, 1998, ISBN 055338032X. Australian sexologist Cox discusses the basics of sex and relationships, bringing equal attention to the ecstasy and agony without judgementalism. She also has a sequel, More Hot Sex, which expands on the first book and, among other things, includes information on same-sex experiences for straight people.
  • Editors of Nerve.com, Sex Advice From..., San Francisco, Chronicle Books, 2006, ISBN 0811850021. Nerve.com's column of interviews with ordinary people in various walks of life about their sex lives. Very good for understanding that either everyone's a freak, or no one is.
  • Joannides, Paul, The Guide to Getting It On. Equal parts titillation and information, this phone book-sized tome presents virtually everything you'd ever want to know about sex in as frank and approachable manner as possible—and we do mean everything. Health, technique, anatomy, normalcy, masturbation, heterosexual, homosexual, group sex, BDSM, it's all covered. Along with a good book on the body, this might even be a good thing to give a teenager entering high school as an antidote to inept abstinence-only sex education.

Sobre brunchs Norte-Americanos[edit]

  • Jamison, Cheryl A. and Bill, A Real American Breakfast, New York, Wm. Morrow, 2002, ISBN 0060188243. Even if you're not American, there are some truly awesome recipes in this book. (If you do live outside the US, you'll also want the rec.food.cooking FAQ from the Usenet newsgroup—there's a lot of gotchas with even the simplest foreign recipes, and the rfc FAQ will alert you to many of the biggest ones.)

Mais sobre Livre-Pensamento[edit]

Recursos[edit]

Notas de Rodapé[edit]